Renta 2018: como declarar o montante recuperado para a cláusula de piso?

O comparador bancário HelpMyCash.com diz-nos como devemos proceder se o banco nos tiver devolvido o que nos cobrou indevidamente pela cláusula de piso.

Como geralmente acontece nos meses que antecedem o encerramento de qualquer campanha de Imposto sobre o Rendimento, milhares de contribuintes pedem ajuda à Agência Fiscal ou a consultores profissionais para resolverem as suas dúvidas e evitarem obter um pau do Tesouro. Mas este ano uma nova pergunta foi acrescentada às perguntas que normalmente são feitas durante estes dias: como fazer a declaração de imposto se o banco reembolsou o que foi indevidamente cobrado pela cláusula de baixa da nossa hipoteca. A partir do comparador financeiro HelpMyCash.com explicam como proceder nestes casos e o que acontece se aplicarmos a dedução por residência habitual em declarações anteriores.

pssst... um pequeno à parte...

Neste diretório de artigos vai encontrar certamente o conteúdo que procura! A nossa equipa empenha-se diáriamente para procurar conteúdo relevante e publicar neste diretório sobre todas as temáticas possíveis e a nossa única fonte de receita é através dos cliques na publicidade que vai encontrar ao longo do artigo.

Obrigado pela sua visita e compreensão, boa leitura!

O retorno não está incluído na declaração

De acordo com este elemento de comparação, se recuperámos o que pagámos demasiado pela cláusula de baixa, não é necessário incluí-la na nossa declaração de imposto sobre o rendimento pessoal.. É isto que a própria Agência Fiscal nos garante, que no ano passado explicou que os montantes devolvidos “não devem ser incluídos na base tributária do imposto”. Isto aplica-se quer o reembolso resulte de uma decisão judicial quer de um acordo entre o cliente e a instituição financeira.

Da mesma forma, o reembolso também não tem de ser declarado se foi efectuado através de compensações alternativas (com uma redução do capital em dívida da hipoteca, por exemplo). Y o mesmo se aplica aos juros compensatórios pagos pelo banco, embora tenhamos de incluir o custos legais pagos pelo banco como mais-valia da base tributária geral.

Renta 2018

Deduziu a sua hipoteca? Terá de o corrigir

As coisas tornam-se mais complicadas se, em anos anteriores, aplicarmos a dedução por investimento na sua residência principal aos juros pagos em excesso, devido à cláusula de piso. Nesses casos, uma vez que o banco nos devolveu esse dinheiro, perdemos o direito de requerer uma dedução fiscal sobre ele. Por conseguinte, teremos de acrescentar esse montante à declaração deste ano.

Deve notar-se, contudo, que apenas as últimas quatro declarações de impostos precisam de ser corrigidas. O facto é que as dívidas que as autoridades fiscais não reclamam têm um estatuto de prescrição de quatro anos. Consequentemente, só teremos de incluir o dinheiro deduzido na cláusula de baixa durante 2014, 2015, 2016 e 2017.. Além disso, a Agência Fiscal não nos cobrará juros de mora.

O Inland Revenue também esclarece que existe um caso em que as declarações anteriores não têm de ser corrigidas: se o banco reduziu o capital em dívida da nossa hipoteca em vez de nos reembolsar em dinheiro o que nos cobrou indevidamente. Contudo, deixa claro que a dedução para a residência principal não pode ser feita sobre o montante subtraído do capital do empréstimo.

Declarou-o como uma despesa dedutível? Tem de fazer um suplemento

Finalmente, há outro caso que também é delicado: se o imóvel hipotecado fosse alugado e declaramos o que pagámos pelo terreno como despesa dedutível. (seja para actividades económicas ou nos rendimentos do capital imobiliário). Nessas situações, as autoridades fiscais exigem-nos fazer declarações suplementares para os quatro exercícios financeiros anteriores (2014, 2015, 2016 e 2017), eliminando estas despesas.

Ou seja, como no caso anterior, não nos serão cobrados juros de mora ou sobretaxas. para a apresentação destas declarações fiscais suplementares. Teremos até 1 de Julho de 2019 para os enviar para a Receita Federal juntamente com a declaração de impostos do ano em curso.

Renta 2018: como declarar o montante recuperado para a cláusula de piso?

Autor Convidado

Sou um escritor freelance e nómada digital. Dedico a minha vida a explorar as principais estratégias de marketing. Por cinco anos, tenho partilhado a minha própria experiência a alunos, por forma a ajudá-los a desenvolver novas habilidades. Como viajar é a segunda forma de reconhecer o mundo, fico imensamente feliz em deixar os leitores também felizes com dicas e inovações.

Quem somos

Este será o maior diretorio de artigos DOFOLLOW.

Os objectivos são simples: ajudar qualquer pessoa ou entidade a divulgar o seu negócio através da partilha de conhecimento, ferramentas, serviços e soluções. Colocando em prática uma Estratégia Digital eficiente, capaz de captar audiências.

Assim sendo, queremos não só publicar os seus conteúdos, mas sobretudo continuar a aprender em conjunto com todos os nossos leitores como colaborar para esta mudança digital, estimulando o estudo e aprendizagem das técnicas e recursos da Internet.