Ações – O que é o Mercado de Ações e como funciona

Se quiser tornar-se um investidor incrível, tem de estar no meio da acção. Não há melhor lugar para aperfeiçoar as suas capacidades, aprender rapidamente e adaptar-se constantemente do que no Mercado de Ações, um mundo altamente volátil e em rápida mudança mesmo nos mais pequenos investimentos.

Mas se não sabe o que isto é, vamos neste artigo explicar tudo sobre o mercado de ações.

O que é o Mercado de Ações?

O mercado de acções refere-se aos mercados públicos que existem para emitir, comprar e vender acções que negoceiam numa bolsa de valores ou no mercado de balcão. As acções, também conhecidas como acções, representam propriedade fraccionada numa empresa, e o mercado de acções é um local onde os investidores podem comprar e vender a propriedade de tais activos investigáveis. Um mercado de acções a funcionar eficazmente é considerado crítico para o desenvolvimento económico, uma vez que dá às empresas a capacidade de aceder rapidamente ao capital do público.

Finalidades do mercado de acções – Capital e rendimentos de investimento

O mercado de ações serve dois objectivos muito importantes. O primeiro é fornecer capital a empresas que podem utilizar para financiar e expandir os seus negócios. Se uma empresa emite um milhão de acções que inicialmente vendem por $10 por acção, então isso fornece à empresa um capital de $10 milhões que pode utilizar para fazer crescer o seu negócio (menos as comissões que a empresa paga a um banco de investimento para gerir a oferta de acções). Ao oferecer acções em vez de pedir emprestado o capital necessário para a expansão, a empresa evita contrair dívidas e pagar encargos com juros sobre essa dívida.

O objectivo secundário que o mercado de acções serve é dar aos investidores – aqueles que compram acções – a oportunidade de participar nos lucros das empresas cotadas na bolsa. Os investidores podem lucrar com a compra de acções de uma de duas formas. Algumas acções pagam dividendos regulares (uma dada quantia de dinheiro por acção que alguém possui). A outra forma de os investidores poderem lucrar com a compra de acções é através da venda das suas acções com lucro se o preço das acções aumentar em relação ao seu preço de compra. Por exemplo, se um investidor compra acções de uma empresa a $10 por acção e o preço da acção sobe subsequentemente para $15 por acção, o investidor pode então realizar um lucro de 50% sobre o seu investimento vendendo as suas acções.

História da Negociação de Acções

Embora a negociação de acções remonte a meados dos anos 1500 em Antuérpia, o comércio moderno de acções é geralmente reconhecido como começando com a negociação de acções da East India Company em Londres.

Os Primeiros Dias de Negociação de Investimento

Durante todo o século XVI, os governos britânico, francês e holandês forneceram cartas a várias empresas que incluíam a Índia Oriental no nome. Todas as mercadorias trazidas do Leste eram transportadas por mar, envolvendo viagens de risco frequentemente ameaçadas por tempestades severas e piratas. Para mitigar estes riscos, os armadores procuravam regularmente investidores para oferecerem garantias de financiamento para uma viagem. Em troca, os investidores recebiam uma parte dos retornos monetários realizados se o navio regressasse com sucesso, carregado com mercadorias para venda. Estes são os primeiros exemplos de sociedades de responsabilidade limitada (LLCs), e muitos mantidos juntos apenas o tempo suficiente para uma viagem.

A Companhia das Índias Orientais

A formação da East India Company em Londres acabou por conduzir a um novo modelo de investimento, com empresas importadoras a oferecerem acções que representavam essencialmente um interesse fracionário na empresa, e que por isso ofereciam aos investidores retornos de investimento sobre as receitas de todas as viagens financiadas por uma empresa, em vez de apenas numa única viagem. O novo modelo de negócio tornou possível às empresas solicitar maiores investimentos por acção, permitindo-lhes aumentar facilmente a dimensão das suas frotas de transporte marítimo. O investimento em tais empresas, que muitas vezes eram protegidas da concorrência por fretamentos de emissões royally, tornou-se muito popular devido ao facto de os investidores poderem potencialmente realizar lucros maciços nos seus investimentos.

As Primeiras Acções e a Primeira Bolsa

As acções da empresa foram emitidas em papel, permitindo aos investidores negociar acções para trás e para a frente com outros investidores, mas as bolsas regulamentadas não existiam até à formação da Bolsa de Valores de Londres (LSE) em 1773. Embora uma quantidade significativa de turbulência financeira se tenha seguido à criação imediata da LSE, a negociação em bolsa conseguiu sobreviver e crescer ao longo do século XIX.

Os inícios da Bolsa de Nova Iorque

Entrar na Bolsa de Nova Iorque (NYSE), estabelecida em 1792. Embora não seja a primeira em solo americano – essa honra vai para a Bolsa de Valores de Filadélfia (PSE) – a NYSE cresceu rapidamente para se tornar a bolsa de valores dominante nos Estados Unidos, e eventualmente no mundo. A NYSE ocupava uma posição fisicamente estratégica, situada entre alguns dos maiores bancos e empresas do país, para não falar de estar situada num grande porto de navegação. A bolsa estabeleceu inicialmente requisitos de cotação para acções, e taxas bastante pesadas, permitindo-lhe tornar-se rapidamente uma instituição rica em si.

Modern Stock Trading – A Face em Mudança das Bolsas Globais

A nível interno, a NYSE viu uma concorrência escassa durante mais de dois séculos, e o seu crescimento foi alimentado principalmente por uma economia americana em constante crescimento. A LSE continuou a dominar o mercado europeu de negociação de acções, mas a NYSE tornou-se o lar de um número continuamente crescente de grandes empresas. Outros grandes países, como a França e a Alemanha, acabaram por desenvolver as suas próprias bolsas de valores, embora estas fossem muitas vezes vistas principalmente como trampolins para empresas a caminho da cotação na LSE ou na NYSE.

No final do século XX assistiu-se à expansão do comércio de acções em muitas outras bolsas, incluindo a NASDAQ, que se tornou a casa favorita das empresas tecnológicas em expansão e ganhou uma importância crescente durante o boom do sector tecnológico dos anos 80 e 90. A NASDAQ emergiu como a primeira bolsa a operar entre uma teia de computadores que executava transacções electronicamente. O comércio electrónico tornou todo o processo de comércio mais eficiente em termos de tempo e de custos. Para além da subida do NASDAQ, a NYSE enfrentou uma concorrência crescente das bolsas de valores na Austrália e Hong Kong, o centro financeiro da Ásia.

A NYSE acabou por se fundir com a Euronext, que foi formada em 2000 através da fusão das bolsas de Bruxelas, Amsterdão e Paris. A fusão da NYSE/Euronext em 2007 estabeleceu a primeira bolsa transatlântica.

Como são negociadas as Acções – Bolsas e OTC

A maioria das acções são negociadas em bolsas como a New York Stock Exchange (NYSE) ou a NASDAQ. As bolsas de valores fornecem essencialmente o mercado para facilitar a compra e venda de acções entre investidores. As bolsas de valores são reguladas por agências governamentais, tais como a Securities and Exchange Commission (SEC) nos Estados Unidos, que supervisionam o mercado a fim de proteger os investidores da fraude financeira e de manter o mercado cambial a funcionar sem problemas.

Embora a grande maioria das acções seja negociada em bolsas, algumas acções são negociadas no mercado de balcão (OTC), onde compradores e vendedores de acções negociam normalmente através de um negociante, ou “market maker”, que lida especificamente com a acção. As acções OTC são acções que não cumprem o preço mínimo ou outros requisitos para serem cotadas nas bolsas.

As acções OTC não estão sujeitas aos mesmos regulamentos de informação pública que as acções cotadas nas bolsas, pelo que não é tão fácil para os investidores obter informações fiáveis sobre as empresas que emitem tais acções. As acções no mercado OTC são tipicamente negociadas de forma muito mais fina do que as acções negociadas em bolsa, o que significa que os investidores têm muitas vezes de lidar com grandes spreads entre os preços de compra e venda de uma acção OTC. Em contraste, as acções negociadas em bolsa são muito mais líquidas, com spreads bid-ask relativamente pequenos.

Jogadores da Bolsa de Valores – Bancos de Investimento, Corretores de Bolsa e Investidores

Há uma série de participantes regulares na negociação em bolsa.

Os bancos de investimento tratam da oferta pública inicial (IPO) de acções que ocorre quando uma empresa decide pela primeira vez tornar-se uma empresa cotada na bolsa através da oferta de acções.

Aqui está um exemplo de como funciona uma IPO. Uma empresa que deseja abrir o capital e oferecer acções aproxima-se de um banco de investimento para agir como “subscritor” da oferta pública inicial de acções da empresa. O banco de investimento, após pesquisar o valor total da empresa e tendo em consideração a percentagem de propriedade que a empresa pretende abandonar sob a forma de acções, trata da emissão inicial de acções no mercado em troca de uma comissão, garantindo simultaneamente à empresa um determinado preço mínimo por acção. Por conseguinte, é do melhor interesse do banco de investimento que todas as acções oferecidas sejam vendidas e ao preço mais elevado possível.

As acções oferecidas em IPOs são mais frequentemente compradas por grandes investidores institucionais, tais como fundos de pensões ou sociedades de fundos mútuos.

O mercado de IPO é conhecido como o mercado primário, ou inicial. Uma vez que uma acção tenha sido emitida no mercado primário, toda a negociação da acção posteriormente ocorre através das bolsas de valores no que é conhecido como o mercado secundário. O termo “mercado secundário” é um pouco enganador, uma vez que este é o mercado onde a esmagadora maioria das transacções de acções ocorre no dia a dia.

Corretores de bolsa, que podem ou não actuar também como consultores financeiros, compram e vendem acções para os seus clientes, que podem ser ou investidores institucionais ou investidores individuais a retalho.

Os analistas de pesquisa de acções podem ser empregados por empresas de corretagem de acções, empresas de fundos mútuos, fundos hedge, ou bancos de investimento. Estes são indivíduos que pesquisam empresas negociadas publicamente e tentam prever se as acções de uma empresa são susceptíveis de subir ou descer no preço.

Os gestores de fundos ou gestores de carteiras, que incluem gestores de fundos de cobertura, gestores de fundos de investimento colectivo, e gestores de fundos negociados em bolsa (ETF), são participantes importantes no mercado de acções porque compram e vendem grandes quantidades de acções. Se um fundo mútuo popular decide investir fortemente numa determinada acção, essa procura por si só é muitas vezes suficientemente significativa para conduzir o preço da acção a um nível visivelmente mais elevado.

 

Índices do Mercado de Ações

O desempenho global da bolsa de valores é normalmente acompanhado e reflectido no desempenho de vários índices da bolsa de valores. Os índices de acções são compostos por uma selecção de acções que é concebida para reflectir o desempenho global das acções. Os próprios índices das bolsas de valores são negociados sob a forma de opções e contratos de futuros, que também são negociados em bolsas regulamentadas.

Entre os principais índices das bolsas de valores encontram-se o Dow Jones Industrial Average (DJIA), o índice Standard & Poor’s 500 (S&P 500), o índice Financial Times Stock Exchange 100 (FTSE 100), o índice Nikkei 225, o índice composto NASDAQ, e o índice Hang Seng.

Mercados de Bull e Bear, e Short Selling

Dois dos conceitos básicos da negociação em bolsa são os mercados de “touro” e “urso”. O termo mercado em bloco é utilizado para se referir a um mercado de acções em que o preço das acções está geralmente a subir. Este é o tipo de mercado em que a maioria dos investidores prosperam, uma vez que a maioria dos investidores em acções são compradores, em vez de vendedores a descoberto, de acções. Existe um mercado de baixa quando os preços das acções estão a descer em geral.

Os investidores ainda podem lucrar mesmo nos mercados de urso através da venda a descoberto. A venda a descoberto é a prática de empréstimo de acções que o investidor não detém de uma empresa de corretagem que possui acções da acção. O investidor vende então as acções emprestadas no mercado secundário e recebe o dinheiro da venda dessas acções. Se o preço das acções descer como o investidor espera, então o investidor pode realizar um lucro comprando um número suficiente de acções para devolver ao corretor o número de acções que emprestou a um preço total inferior ao que recebeu pela venda antecipada das acções a um preço mais elevado.

Por exemplo, se um investidor acreditar que as acções da empresa “A” são susceptíveis de diminuir do seu preço actual de 20 dólares por acção, o investidor pode depositar o que é conhecido como um depósito de margem para pedir 100 acções emprestadas ao seu corretor. Ele vende então essas acções por $20 cada, o preço actual, o que lhe dá $2.000. Se as acções caírem para $10 por acção, o investidor pode então comprar 100 acções para voltar ao seu corretor por apenas $1.000, deixando-o com um lucro de $1.000.

Análise de Acções – Capitais de Mercado, EPS, e Rácios Financeiros

Os analistas e investidores da bolsa de valores podem analisar uma variedade de factores para indicar a provável direcção futura de uma acção, para cima ou para baixo no preço. Aqui está um resumo de algumas das variáveis mais frequentemente vistas para a análise de acções.

A capitalização bolsista de uma acção, ou capitalização de mercado, é o valor total de todas as acções em circulação da acção. Uma maior capitalização bolsista indica geralmente uma empresa mais bem estabelecida e financeiramente mais sólida.

As empresas cotadas em bolsa são obrigadas pelos organismos reguladores da bolsa a fornecer regularmente relatórios de ganhos. Estes relatórios, emitidos trimestral e anualmente, são cuidadosamente observados pelos analistas de mercado como um bom indicador de quão bem o negócio de uma empresa está a correr. Entre os factores-chave analisados a partir dos relatórios de ganhos estão os ganhos por acção da empresa (EPS), que reflectem os lucros da empresa divididos entre todas as suas acções em circulação.

Analistas e investidores também examinam frequentemente uma série de rácios financeiros que se destinam a indicar a estabilidade financeira, rentabilidade e potencial de crescimento de uma empresa cotada na bolsa. Seguem-se alguns dos principais rácios financeiros que os investidores e analistas consideram:

Rácio Preço/Rendibilidade (P/E): O rácio do preço das acções de uma empresa em relação ao seu EPS. Um rácio P/E mais elevado indica que os investidores estão dispostos a pagar preços por acção mais elevados pelas acções da empresa porque esperam que a empresa cresça e que o preço das acções suba.

Rácio dívida/capital próprio: Esta é uma métrica fundamental da estabilidade financeira de uma empresa, pois mostra qual a percentagem das operações de uma empresa que está a ser financiada pela dívida, em comparação com a percentagem que está a ser financiada pelos investidores em acções. É preferível um rácio de dívida para capital mais baixo, indicando o financiamento primário dos investidores.

Rácio de Rendimento do Capital Próprio (ROE): O rácio de rendibilidade do capital próprio (ROE) é considerado um bom indicador do potencial de crescimento de uma empresa, uma vez que mostra o rendimento líquido da empresa em relação ao investimento total de capital próprio na empresa.

Margem de lucro: Existem vários rácios de margem de lucro que os investidores podem considerar, incluindo a margem de lucro operacional e a margem de lucro líquido. A vantagem de olhar para a margem de lucro em vez de apenas um valor absoluto de lucro em dólares é que mostra o que é a rentabilidade percentual de uma empresa. Por exemplo, uma empresa pode mostrar um lucro de 2 milhões de dólares, mas se isso se traduzir apenas numa margem de lucro de 3%, então qualquer declínio significativo nas receitas pode ameaçar a rentabilidade da empresa.

Outros rácios financeiros normalmente utilizados incluem o retorno dos activos (ROA), o rendimento dos dividendos, o rácio preço/contabilidade (P/B), o rácio actual, e o rácio de rotação de existências.

 

Mercados accionistas em todo o mundo

Duas Abordagens Básicas para o Investimento na Bolsa de Valores – Investimento no Valor e Crescimento
Existem inúmeros métodos de selecção de acções que os analistas e investidores empregam, mas praticamente todos eles são uma ou outra das duas estratégias básicas de compra de acções de investimento de valor ou de investimento de crescimento.

Os investidores de valor investem tipicamente em empresas bem estabelecidas que demonstraram uma rentabilidade estável durante um longo período de tempo e podem oferecer rendimentos de dividendos regulares. O value investing está mais concentrado em evitar o risco do que o growth investing, embora os investidores de valor procurem comprar acções quando consideram que o preço das acções é uma pechincha subavaliada.

Os investidores de crescimento procuram empresas com um potencial de crescimento excepcionalmente elevado, esperando realizar a máxima valorização no preço das acções. Estão normalmente menos preocupados com o rendimento de dividendos e estão mais dispostos a arriscar investir em empresas relativamente jovens. As acções de tecnologia, devido ao seu elevado potencial de crescimento, são frequentemente favorecidas pelos investidores em crescimento.

Claudemiro Silva

Quem somos

Este será o maior diretorio de artigos DOFOLLOW do Brasil e Portugal.

Os objectivos são simples: ajudar qualquer pessoa ou entidade a divulgar o seu negócio através da partilha de conhecimento, ferramentas, serviços e soluções. Colocando em prática uma Estratégia Digital eficiente, capaz de captar audiências.

Assim sendo, queremos não só publicar os seus conteúdos, mas sobretudo continuar a aprender em conjunto com todos os nossos leitores como colaborar para esta mudança digital, estimulando o estudo e aprendizagem das técnicas e recursos da Internet.