Como é que as pessoas mudas comunicam?

O estatuto de mudo é normalmente permanente, mas a nova tecnologia facilita a sua comunicação. Os monásticos, por exemplo, desenvolveram formas de comunicar durante períodos de silêncio, e o monge espanhol Pedro Ponce de Leon aplicou mais tarde estes sinais a estudantes surdos. Hoje em dia, existem dezenas de maneiras de as pessoas mudas comunicarem. Estes métodos são descritos neste artigo. Para saber mais, continue a ler.

Linguagem gestual

Não está sozinho se alguma vez se interrogou sobre como silenciar as pessoas para comunicar. Muitas pessoas não fazem ideia de que as pessoas surdas usam a linguagem gestual para comunicar. Muitas pessoas que não são surdas ou cegas podem usar a ortografia táctil com os dedos. Para comunicar com alguém que é surdo, colocam as mãos sobre a palma da mão do signatário ou tapam a mão à volta da mão do signatário. Podem também usar gestos para transmitir o seu significado.

pssst... um pequeno à parte...

Neste diretório de artigos vai encontrar certamente o conteúdo que procura! A nossa equipa empenha-se diáriamente para procurar conteúdo relevante e publicar neste diretório sobre todas as temáticas possíveis e a nossa única fonte de receita é através dos cliques na publicidade que vai encontrar ao longo do artigo.

Obrigado pela sua visita e compreensão, boa leitura!

Muitos surdos e pessoas com dificuldades de audição utilizam a linguagem gestual como o seu principal meio de comunicação. Utilizam também gestos de mão para ilustrar o que dizem, tornando ainda mais desafiante a sua compreensão. Mas infelizmente, nem todos os surdos utilizam a linguagem gestual. Menos de um por cento dos 48 milhões de americanos com perda auditiva utilizam-na. Isso significa que a linguagem gestual é uma boa ideia em alguns casos, mas não noutros.

Muitas pessoas surdas conseguem ler os lábios, mas a maioria não consegue. Podem confiar na leitura dos lábios ou usar a linguagem gestual como forma de comunicação para comunicar com os seus pares auditivos. Vários sistemas de linguagem gestual foram desenvolvidos nos Estados Unidos, incluindo a linguagem gestual americana, que é utilizada principalmente pelos surdos profundos. É importante notar que a linguagem gestual não é um substituto para a audição.

Os investigadores estudaram também como os indivíduos auditivos interagem com os colegas surdos. Descobriram que ouvir as pessoas valoriza muito o desejo de saber o que a pessoa surda tem a dizer. Além disso, os participantes têm observado a influência que os papéis e os valores pessoais têm nas suas expectativas. Curiosamente, o eu surdo também se apresenta como um essencialista, o que requer uma grande concentração e concentração.

Os índios usavam a linguagem gestual no século XIX. Permitia a estas pessoas comunicar com outras pessoas de diferentes tribos. Embora a sua primeira língua possa ser o inglês, utilizavam um sistema semelhante de linguagem gestual para comunicar. Eventualmente, familiarizaram-se com a língua gestual uns dos outros, o que lhes permitiu formar histórias elaboradas. A língua acabou por se tornar familiar a grandes grupos de índios, e tem sido amplamente aceite como uma forma de comunicação para os surdos.

Leitura de lábios

Quando as pessoas são mudas, não é invulgar confiarem na leitura labial para comunicarem com os outros. Ao contrário de outras formas de comunicação, a leitura labial é uma ciência inexacta, exigindo que o leitor observador observe os movimentos da boca do seu alvo. Os leitores de lábios devem seguir o ritmo e o stress de uma língua enquanto combinam a audição residual e a capacidade de raciocínio. Os cursos de leitura labial normalmente começam por ensinar ao aluno o alfabeto dos leitores de lábios, que inclui as visões, a essência, e o alfabeto de leitura labial.

Se estiver a ensinar uma lição ou uma apresentação a um grupo de pessoas mudas, a primeira coisa que deve fazer é chamar a atenção do ouvinte. Por exemplo, quando fala, enfrente a turma. A sua voz natural é o melhor tom a utilizar. Quando escrever no quadro, repita as suas explicações enquanto enfrenta a turma. Em geral, se estiver a dar uma aula, lembre-se de falar devagar e normalmente. É importante evitar usar o cabelo facial ou pastilha elástica. Outra coisa a lembrar é manter as frases curtas e dirigir-se à pessoa pelo nome.

A segunda dica para ajudar as pessoas mudas a comunicar é aprender a ler os lábios. Deve-se fazer contacto visual com a pessoa com quem se está a aprender a ler os lábios. O bom contacto visual melhora a visibilidade dos lábios, e também é útil para manter uma conversa fluida. Alguns indivíduos com deficiência auditiva utilizam dispositivos de ajuda à leitura dos lábios. No entanto, como em qualquer forma de comunicação, a leitura dos lábios não é infalível.

Uma dica importante para aprender a ler os lábios é certificar-se de que está a falar directamente com a pessoa com perda auditiva. Um sinal físico também é útil. Ao falar com uma pessoa com perda auditiva, certifique-se de falar clara e lentamente, sem exagerar os movimentos dos lábios ou os gritos. Uma pessoa com perda auditiva também usará a sua linguagem corporal para transmitir a sua mensagem. Se a pessoa não conseguir compreender as suas palavras, poderá querer considerar escrevê-las e referir-se a elas através de notas escritas.

Vocalizações

Um estudo recente mostrou que as vocalizações são eficazes na comunicação de significados. Neste estudo, foram apresentados ouvintes de nove famílias de línguas diferentes e 25 línguas diferentes, com três vocalizações correspondentes a cada significado. Os ouvintes adivinharam então o significado pretendido a partir de seis alternativas escritas. Os resultados desafiam a crença de que as vocalizações têm uma representação simbólica limitada. O estudo tem implicações importantes para várias línguas e culturas humanas, incluindo as pessoas mudas.

Algumas pessoas surdas podem não ser capazes de falar, mas podem limpar a garganta e fazer caretas. Alguns problemas neurológicos causam problemas de fala e problemas de deglutição. Os danos nas cordas vocais podem fazer com que estas pessoas falem com um tom muito baixo ou gritem muito. As pessoas com afasia têm frequentemente problemas de função motora da sua língua e garganta. Podem ser capazes de tossir, mas a sua laringe não funciona correctamente. Isto torna difícil fazer sons na garganta e murmurar ou dizer a palavra “ahem”.

Discurso

Como é que as pessoas mudas comunicam através da fala? Há vários métodos de comunicação com uma pessoa muda. Ainda assim, a maioria destes métodos depende da audição da própria voz do indivíduo. Uma nova aplicação do VocaliD utiliza o discurso perturbado dos surdos-mudos para converter a sua fala para um som normal. A aplicação utiliza os coeficientes cepstral de Mel frequência para reconhecer a voz de um mudo e convertê-la em fala.

Outro método promissor envolve a implantação de eléctrodos no cérebro do paciente. Os eléctrodos detectam sinais cerebrais que provocam o movimento do tracto vocal. Um sintetizador de voz traduz então estes sinais em fala. O dispositivo foi testado com sucesso em cinco voluntários epilépticos, que foram capazes de transcrever a fala sintetizada. Os investigadores da Universidade da Califórnia afirmam que o dispositivo pode produzir 150 palavras por minuto, o que é equivalente a uma conversa humana normal.

A tecnologia baseia-se em sinais cerebrais que movem várias partes do rosto e da garganta envolvidas na fala. A produção natural da fala requer mais de 100 músculos faciais e envolve mais de 100 movimentos. A tecnologia funciona ao permitir ao utilizador “imaginar” a boca a falar as palavras. Um computador de rede neural está ligado a um sintetizador de voz e permite ao utilizador compreender o que a pessoa muda está a dizer. Isto é semelhante ao sintetizador utilizado por Stephen Hawking.

A linguagem gestual americana é uma poderosa ferramenta de comunicação que pode ajudar os indivíduos surdos-mudos. Esta ferramenta está a tornar-se a quinta língua mais utilizada nos EUA. Usando-a, as pessoas podem comunicar com uma pessoa muda tão facilmente como qualquer outra pessoa. Usando a tecnologia, os participantes podem melhorar as suas capacidades de comunicação e socializar com uma pessoa normal. Ao interagirem com uma pessoa muda, devem tentar falar com ela cara a cara, se possível. O uso de linguagem corporal e gestos pode também ajudá-los a ordenar uma conversa.

Artigos de Interesse:

Autor Convidado

Sou um escritor freelance e nómada digital. Dedico a minha vida a explorar as principais estratégias de marketing. Por cinco anos, tenho partilhado a minha própria experiência a alunos, por forma a ajudá-los a desenvolver novas habilidades. Como viajar é a segunda forma de reconhecer o mundo, fico imensamente feliz em deixar os leitores também felizes com dicas e inovações.

Quem somos

Este será o maior diretorio de artigos DOFOLLOW do Brasil e Portugal.

Os objectivos são simples: ajudar qualquer pessoa ou entidade a divulgar o seu negócio através da partilha de conhecimento, ferramentas, serviços e soluções. Colocando em prática uma Estratégia Digital eficiente, capaz de captar audiências.

Assim sendo, queremos não só publicar os seus conteúdos, mas sobretudo continuar a aprender em conjunto com todos os nossos leitores como colaborar para esta mudança digital, estimulando o estudo e aprendizagem das técnicas e recursos da Internet.