A Índia proíbe a Criptomoeda? Como é que isso pode ser feito?

A Índia é um dos mercados com crescimento mais rápido do mundo no comércio de moedas digitais, embora a capacidade de transaccionar Bitcoin e os seus pares de forma livre e anónima seja um dos principais desafios do país quanto à convertibilidade para a sua moeda, a rúpia. O banco central é claro que quer que todas as criptomoedas privadas sejam proibidas enquanto criam uma moeda digital oficial. O governo, no entanto, está aberto a excepções para promover a tecnologia da blockchain. No meio destes objectivos concorrentes, a administração do Primeiro-Ministro Narendra Modi está a apressar o processo de finalização da legislação a tempo da última sessão parlamentar do ano.

1. Qual é a dimensão do mercado de criptomoedas na Índia?

É um dos maiores da região e está em rápida expansão. Um relatório de Outubro da Chainalysis, uma empresa de análise criptográfica, constatou que o mercado indiano cresceu 641% durante o período de Julho de 2020 a Junho de 2021. No seu conjunto, a Ásia Central e do Sul foi o quarto maior mercado de criptologia estudado, com mais de 572,5 mil milhões de dólares em valor recebido durante esse período, ou 14% do valor global da transacção. As transferências no valor de mais de 10 milhões de dólares representaram 42% das transacções enviadas a partir de endereços com sede na Índia durante esse período, contra 28% para o Paquistão e 29% para o Vietname. Isto sugeriu um mercado indiano mais maduro. Ao mesmo tempo, a Índia – com uma população relativamente jovem e com conhecimentos tecnológicos – ficou atrás apenas do Vietname no crescimento da adopção do crypto por investidores de retalho na região.

2. Quais são agora as regras?

A Índia tem tido uma relação quente e fria com as moedas digitais, que existem numa zona cinzenta. Em 2018, a Índia proibiu efectivamente as transacções de criptomoedas, mas o Supremo Tribunal derrubou a restrição em Março de 2020. Os apelos a regras mais estritas cresceram desde então, no meio de preocupações de que um ambiente não regulamentado poderia atrair mais poupanças domésticas para os activos voláteis – deixando os aforradores médios vulneráveis a um colapso. A notícia de que o governo estava a preparar um projecto de lei parecia desencadear uma venda a 24 de Novembro em bolsas populares entre os investidores indianos.

3. Quais são as preocupações da Índia?

O Banco de Reserva da Índia diz que representam sérias ameaças à estabilidade macroeconómica e financeira do país. A rupia da Índia é apenas parcialmente convertível, o que dá ao regulador uma visão e controlo sobre quem pode aceder aos mercados do país. As moedas criptográficas por natureza são concebidas para serem livremente negociadas e anónimas, negando às autoridades tanto a supervisão como a capacidade de tributar as transacções. Questões como o branqueamento de capitais e o financiamento do terrorismo também foram levantadas.

4. O que é que o projecto de lei é susceptível de propor?

Isso não é claro. Uma breve descrição publicada no website do Parlamento diz que “procura proibir todas as moedas criptográficas privadas na Índia, no entanto, permite certas excepções para promover a tecnologia subjacente da moeda criptográfica e as suas utilizações”. A Bloomberg News informou que a proposta do governo pode tratar as moedas criptográficas como um activo financeiro e estipular um montante mínimo para investimento, ao mesmo tempo que proíbe oficialmente a sua utilização como moeda com curso legal. “Queremos ter a certeza de que existe uma janela disponível para todo o tipo de experiências que terão de ter lugar no mundo criptográfico”, disse o Ministro das Finanças Nirmala Sitharaman. “Não é como se fôssemos olhar para dentro e dizer que não vamos ter nada disto”. Haverá uma posição muito calibrada”.

5. Qual é o prazo?

Se quer que o projecto de lei seja aprovado este ano, precisa de finalizar o projecto e de o passar pelo gabinete muito antes do dia 23 de Dezembro, quando termina a sessão de Inverno do parlamento. Separadamente, a administração do Modi pretende também ajudar o RBI a criar uma Índia, como outros bancos centrais em todo o mundo estão a fazer, sobretudo a China. O prazo para isso parece muito mais longínquo, e gostará de vir em fases.

6. A Índia não funciona principalmente com dinheiro?

Sim, funciona. O governo Modi em 2016 retirou inesperadamente notas de alto valor de circulação numa tentativa de combater a corrupção, a contrafacção e o empurrar o país na direcção digital. Isso ajudou a trazer à ribalta o pioneiro dos pagamentos em linha do país, Paytm. Mas o dinheiro está de novo em voga, com 89% dos pagamentos a serem efectuados na moeda fiat em 2020, em comparação com 100% em 2010, de acordo com um relatório McKinsey. (E a cotação do Paytm em bolsa teve uma estreia desastrosa em 21 de Novembro.) Ainda assim, os pagamentos digitais a retalho quintuplicaram nos últimos dois anos, impulsionados pela pandemia, que é uma das razões pelas quais continua a ser um dos destinos mais promissores do mundo para os investidores de capital de risco.

Rafaela Barros

Estudante de Comunicação Social – Jornalismo Profissional de Marketing Digital — Criação de calendário editorial e pautas Redatora Profissional (Produção de conteúdo) Revisora Profissional Produção de Release Mensagens e textos institucionais Criação de conteúdo para sites, blogs e redes sociais Escrita criativa para vendas, para palestas e vídeos Conhecimento em SEO e gatilhos mentais

Quem somos

Este será o maior diretorio de artigos DOFOLLOW do Brasil e Portugal.

Os objectivos são simples: ajudar qualquer pessoa ou entidade a divulgar o seu negócio através da partilha de conhecimento, ferramentas, serviços e soluções. Colocando em prática uma Estratégia Digital eficiente, capaz de captar audiências.

Assim sendo, queremos não só publicar os seus conteúdos, mas sobretudo continuar a aprender em conjunto com todos os nossos leitores como colaborar para esta mudança digital, estimulando o estudo e aprendizagem das técnicas e recursos da Internet.